A renovação de práticas e modelos de negócios no setor de consumo e varejo, ocorridas a partir da pandemia da covid-19, indicam que as relações entre clientes e empresas devem mudar de maneira definitiva.

Os novos costumes e padrões de comportamento social e de consumo possivelmente se tornarão a norma, o que impactará diretamente os varejistas em todo o mundo. Na América do Sul, o panorama de transformações também marcou presença.

Para mostrar a abordagem do setor de consumo e varejo na região em relação a esse movimento de transição, a KPMG produziu a publicação Tendências 2022 para o setor de Consumo e Varejo na América do Sul. No estudo, foram apresentadas as principais tendências globais para a indústria e seu impacto no continente sul-americano.

Crescimento econômico à vista

Segundo a pesquisa KPMG 2021 CEO Outlook, 84% dos CEOs sul-americanos do setor de consumo e varejo estão confiantes de que seus países voltarão à trajetória de crescimento nos próximos três anos.

Esse otimismo, perceptível não apenas no setor privado mas também nas instituições públicas, se refletiu na redução das restrições sanitárias e na reativação econômica e recuperação gradual do emprego, favorecendo o início de uma nova etapa.

Inovar, sempre; resistir à mudança, jamais

Apesar das previsões positivas, os varejistas encontram um desafio importante diante do novo cenário. As mudanças nos formatos de trabalho, nos perfis de compra do consumidor e o reequilíbrio de sua relação com as empresas demandam canais de atendimento mais rápidos, novos formatos de pontos de venda, transparência e atenção aos critérios ESG.

Para atender a essas necessidades, flexibilidade, tecnologias emergentes, inovação e rapidez deverão nortear o radar dos líderes empresariais do setor. Contudo, um fator deve ser prioritário nas decisões e estratégias: o foco no cliente.

Novos tempos, escolhas e formas de consumo

Os critérios ESG fornecem um guia para que as empresas direcionem suas estratégias para iniciativas que integrem as questões sociais, ambientais e de governança. Além de contribuir para a definição do propósito corporativo, esses fatores regem hoje os negócios e os investimentos em todos os mercados e setores da economia.

Por isso, ações desenvolvidas pelas empresas relacionadas a direitos, equidade, diversidade, políticas de gênero e remuneração, entre outros itens, serão decisivas para os investimentos, a contratação de profissionais e a escolha dos consumidores.

Na América do Sul, o estudo ressalta que as empresas da região estão atentas a essas mudanças, implementando iniciativas para sua atualização a este cenário no momento atual.

Embora 2022 seja um ano com perspectivas otimistas, ainda há uma série de incertezas no panorama sul-americano do setor de consumo e varejo. Os próximos meses serão fundamentais para observar as decisões futuras das empresas varejistas e a sua capacidade de adaptação para atender a um consumidor cada vez mais exigente.

Tendências 2022 para o setor de Consumo e Varejo na América do Sul

Acesse o estudo na íntegra e saiba mais sobre o tema.

Conteúdo relacionado

Entre em contato conosco

conecte-se conosco

Meu perfil

Conteúdo exclusivo e personalizado para você

Sign up today