close
Share with your friends

Perfis globais dos defraudadores: A tecnologia abre caminho e controlos fracos alimentam os casos de fraude

Perfis globais dos defraudadores

Uma visão sobre o tipo de pessoas que cometem fraude, os tipos de fraude que são cometidos e a forma como as fraudes são detectadas.

Quem é o típico defraudador?

A fraude é um flagelo a nível mundial que afecta a reputação das organizações, custa milhões e arruína vidas. Sabemos que se trata de um fardo a nível económico e moral da sociedade, mas sabemos quem são normalmente as pessoas que comentem fraude? Existem traços, características ou comportamentos comuns que possam ajudar a identificar os indivíduos dentro a da sua organização que são mais propensos a cometer fraude? De que forma cometem fraude e com quem? E, talvez o mais importante: é possível utilizar esta informação para combater a fraude? Durante muitos anos, a KPMG reportou acerca das tendências de fraude e este é o terceiro relatório que estabelece um perfil para os defraudadores de todo o mundo.

Este novo relatório, Global profiles of the fraudster: Technology enables and weak controls fuel the fraud, que constitui uma continuação de um relatório de 2013, é feito com base num questionário aos profissionais de forensic da KPMG de todo o mundo, solicitando detalhes acerca dos defraudadores investigados entre Março de 2013 e Agosto de 2015. A investigação envolveu muitas vezes entrevistas aos defraudadores, ajudando assim a KPMG a formar uma imagem detalhada do perpetrador e da fraude cometida. Este relatório foi elaborado com base numa análise a 750 defraudadores de 81 países.

Neste estudo, foram adicionadas novas questões para saber mais acerca dos tipos de pessoas que cometem fraude, os tipos de fraude cometidos e a forma como as fraudes são detectadas. Os resultados demonstram que a tecnologia foi considerada como sendo um impulsionador dos defraudadores investigados (24%); por contraste, o estudo revela que a tecnologia provavelmente não está a ser suficientemente utilizada para prever ou detectar a fraude. Por exemplo, demonstrou que as análises proactivas desempenham um papel surpreendentemente pequeno no combate à fraude, com apenas 3% dos defraudadores a serem detectados através deste meio. Outra conclusão chave é que os fracos controlos internos continuam a ser um grande contributo para as fraudes cometidas; até cerca de 54% em 2013 e 61% neste estudo mais recente.

Algumas das outras conclusões indicam que o típico defraudador:

  • Tem entre 36 e 55 anos (69% dos defraudadores investigados)
  • São maioritariamente do sexo masculino (79%), com o sexo feminino a atingir os 17%, em comparação com os 13% de 2010
  • São uma ameaça interna (65% são colaboradores da empresa)
  • Ocupam cargos executivos ou de direcção (35%)
  • Estão na organização há, pelo menos, seis anos (38%)
  • São descritos como autocráticos (18%) e têm três vezes mais probabilidade de serem considerados pessoas amigáveis do que o contrário
  • Descrevem-se a si próprios como pessoas respeitadas dentro da organização
  • É provável que tenham tido ajuda de outras pessoas (62% das fraudes, tendo registado uma ligeira diminuição em relação aos 70% do estudo de 2013)
  • São motivados pelos ganhos pessoais (60%), pela ganância (36%) e pelo sentimento do “porque eu consigo” (27%).

© 2020 Copyright owned by one or more of the KPMG International entities. KPMG International entities provide no services to clients. All rights reserved.

KPMG refers to the global organization or to one or more of the member firms of KPMG International Limited (“KPMG International”), each of which is a separate legal entity. KPMG International Limited is a private English company limited by guarantee and does not provide services to clients. For more detail about our structure please visit https://home.kpmg/governance.

Member firms of the KPMG network of independent firms are affiliated with KPMG International. KPMG International provides no client services. No member firm has any authority to obligate or bind KPMG International or any other member firm vis-à-vis third parties, nor does KPMG International have any such authority to obligate or bind any member firm.

Ligue-se connosco