close
Share with your friends

A 5ª edição da “Pesquisa covid-19: Como será o seu retorno aos escritórios”, produzida pela KPMG no Brasil, mostrou que, com o início da vacinação, a maioria dos empresários brasileiros pretende retornar aos escritórios ainda este ano.

Segundo o estudo, 39% dos pesquisados têm a intenção de voltar às atividades presenciais já no segundo semestre de 2021, enquanto 27% deles já programavam a volta aos escritórios para os primeiros seis meses deste ano. Já outros 34% dos respondentes preveem que este retorno deverá ocorrer apenas em 2022.

O levantamento foi realizado com a participação de empresários de todo o País, que compartilharam suas expectativas em relação a aspectos que deverão ser observados no retorno às atividades presenciais, quando o momento mais crítico da pandemia estiver superado.

 A análise, que coletou dados relativos a março de 2021, tem o intuito de medir a temperatura do atual momento e saber quais serão as medidas tomadas para os próximos meses.

Foram consultados 361 empresários de todas as regiões do Brasil, pertencentes aos setores de agronegócio; consumo e varejo; energia e recursos naturais; governo; saúde e ciências da vida; mercados industriais; infraestrutura; tecnologia, mídia e telecomunicações; ONGs e serviços financeiros.

Manutenção do home office

O estudo também mostrou que apenas 13% dos respondentes disseram que não pretendem manter o home office em suas empresas mesmo com a vacinação.

Por outro lado, 34% deles afirmaram ter a intenção de manter o regime de trabalho à distância por até três vezes na semana, enquanto 24% preveem a adoção do modelo por dois dias semanalmente. Outros 15% pretendem implementar o home office cinco vezes por semana.

Novas mudanças no planejamento

Para 74% das empresas pesquisadas o anúncio feito pelas autoridades de saúde sobre o surgimento de novas cepas do coronavírus em circulação no País afetou o cronograma de retorno aos escritórios.

O espaço físico das empresas também foi impactado pela pandemia: 38% dos empresários precisaram reduzir o ambiente de trabalho e pretendem manter o espaço atual mesmo após a vacinação. Já outros 14% deles também sofreram redução, mas têm a expectativa de retomar ao espaço anterior.

Além disso, 49% dos respondentes disseram que vão continuar implementando todas as ações de combate à disseminação do vírus, mesmo com a vacinação, como uso de máscara, utilização de álcool em gel, restrição de circulação, distanciamento entre baias e redução de pessoal nos escritórios. 

Já outros 32% afirmaram que vão manter o uso de máscara de proteção e utilização de álcool em gel. Apenas 3% dos entrevistados disseram que não manterão as regras de combate à disseminação do vírus.

Acesse a Pesquisa covid-19: Como será o seu retorno aos escritórios na íntegra e saiba mais.

Meu perfil

Conteúdo exclusivo e personalizado para você

Sign up today

conecte-se conosco