close
Share with your friends

A terceira edição do estudo “Me, My Life, My Wallet”, produzido pela KPMG International, revela importantes tendências entre consumidores durante a pandemia de covid-19. O levantamento, produzido pelo Centro de Excelência Global Dedicado ao Cliente da KPMG, foi realizado com mais de 18 mil pessoas e apresenta um panorama de 16 países, regiões e jurisdições.

Os dados globais da terceira edição do estudo revelam que 81% dos entrevistados atualmente estão comprando mais on-line, enquanto 58% estão usando tecnologias diferentes daquelas com as quais estavam acostumados. 

Um novo mundo digital

As repentinas e profundas mudanças provocadas pela covid-19 forçaram as empresas a se adaptarem rapidamente no mercado.

Muitos consumidores que ainda não estavam acostumados ao e-commerce também precisaram mudar antigos hábitos. Quem já comprava pela internet, ampliou sua presença digital: 44% dos entrevistados no estudo global relataram que estão usando uma quantidade maior e mais variada de tecnologias.

De acordo com o estudo, no Brasil as visitas às lojas de varejo tradicionais caíram 70%, com 56% das pessoas comprando mais em sites de e-commerce desses vendedores e outros 53% em plataformas ou mercados on-line.

É improvável que este cenário mude após a pandemia, e mais de 94% dos brasileiros pretendem continuar usando sites de e-commerce, plataformas on-line ou marketplaces daqui para frente.

Maior cuidado com dados pessoais

Para as empresas, estar presente e se tornar relevante nos canais digitais será cada vez mais importante. No entanto, essa presença digital deve estar baseada em alguns fatores importantes:

  • Segurança;
  • Confiança;
  • Experiência totalmente positiva;
  • Operação logística eficiente;
  • Estrutura tecnológica adequada.

Além disso, as organizações entenderam rapidamente o que o estudo veio a confirmar: cerca de 80% dos entrevistados valorizam substancialmente a qualidade da experiência digital que mantêm com as empresas.

Dessa forma, a confiança na segurança das operações digitais continua sendo uma questão que merece atenção. Os clientes querem ter uma experiência de compra segura, tanto física quanto digitalmente, na qual as empresas respeitem as regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Evitar vírus on-line tornou-se uma prioridade para os brasileiros. A questão da segurança é tão fundamental que o número de pessoas que se recusam a fornecer dados pessoais aumentou, mesmo em troca de algum benefício.

Além disso, a ampliação do uso dos canais digitais também significou mais cuidado com a proteção dos dados do consumidor. Os números do recorte brasileiro do estudo reforçam esta preocupação:

  • 55% dos consumidores classificam a proteção de seus dados como o elemento mais importante que eles prezam nas empresas;
  • 47% deles esperam que essas organizações nunca vendam seus dados a outras empresas;
  • 31% atualizaram suas configurações de privacidade de mídias sociais antes da covid-19;
  • 38% fizeram o mesmo depois da pandemia;
  • 53% consideram prioridade que o e-commerce cumpra as regras da LGPD.

Acesse a publicação “Me, My Life, My Wallet” na íntegra e saiba mais.

Me, My Life, My Wallet

Download PDF
(PDF 8.2MB)


Me, My Life, My Wallet: Brasil

Download PDF
(PDF 6.8MB)


conecte-se conosco