A 3ª edição do estudo Valor Econômico Agregado (EVA) do setor elétrico, produzido pela KPMG e pelo Instituto Acende Brasil, destaca os resultados alcançados do EVA com base em dados publicados entre 2017 e 2019 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Para o relatório, foram coletadas informações de 47 empresas com dados disponíveis para todos os anos, sendo: 29 empresas de distribuição; 4 de transmissão; 10 de geração; e 4 de geração e transmissão. 

O estudo é fundamentado na seguinte metodologia:

  1. Seleção da amostra com base nas empresas mais representativas em cada segmento;
  2. Cálculo do Lucro Operacional Líquido após Impostos (NOPAT);
  3. Estimação do capital investido para cada empresa a cada ano;
  4. Escolha e cálculo do custo de capital (WACC/CAPM);
  5. Cálculo do Valor Econômico Agregado (EVA) por segmento.

Geração de valor econômico tem resultado negativo para empresas do setor elétrico

Uma das conclusões do relatório é que a geração de valor econômico - expressada pela diferença entre o retorno sobre o capital e o custo de capital -, segue negativa para as organizações de GTD entre 2017 e 2019, pois o EVA cumulativo do período foi de R$ 48,8 bilhões.

De acordo com o estudo, apesar de as empresas do setor elétrico ainda enfrentarem EVA negativo, houve reversão da tendência em 2019 e o capital investido apresentou tendência de crescimento.

Esses são alguns dos dados da publicação Valor Econômico Agregado (EVA). Clique abaixo para baixar o material e conferir os resultados na íntegra. 

Meu perfil

Conteúdo exclusivo e personalizado para você

Sign up today

conecte-se conosco