Diferentes riscos devem emergir ao longo de 2021, com destaque para as constantes disrupções tecnológicas e para o endereçamento integrado das questões ESG

A publicação Top Emerging Risks, elaborado pelo ACI Institute Brasil e o Board Leadership Center da KPMG, traz uma análise dos principais riscos que devem emergir em 2021, evidentemente, levando em consideração os reflexos decorrentes da pandemia da Covid-19, bem como os efeitos de disputas geopolíticas, o avanço do uso da Inteligência Artificial (IA) e um mercado cada vez mais pautado pelo uso de dados. Um dos destaques é a necessidade de as empresas implementarem uma abordagem holística dos fatores ESG.

O tema está em crescente evidência no mundo dos negócios e alcançou uma relevância ainda maior por conta da pandemia. Além do que concerne aos aspectos do “S”, há também as questões do “E”, uma vez que o Brasil é responsável por 2,2% das emissões globais de gases do efeito estufa – o que o coloca entre os 10 maiores emissores do mundo. Se não houver endereçamento do “G” de forma holística com os outros assuntos, ou seja, uma estrutura de governança corporativa eficiente e adequada, as organizações terão bastante dificuldade no sucesso em endereçar o ESG.

O Top Emerging Risks 2021 também analisa quais serão os efeitos da Covid-19 nas demonstrações financeiras e em outras divulgações das companhias ao mercado, além de abordar aspectos relevantes relacionados a potenciais fraudes e non Compliance.

Vale destacar também os riscos derivados da inovação e do desenvolvimento tecnológico. Os resultados positivos dos investimentos em tecnologia realizados nos últimos anos no mundo dos negócios são tangíveis. Entretanto, junto aos benefícios vêm o risco do uso incorreto de dados, bias na construção da inteligência artificial e os efeitos regulatórios da LGPD, dentre outros riscos.

Os insights do levantamento foram baseados em diversas discussões, debates e entrevistas com membros de Conselhos de Administração, Conselhos Fiscais, Comitês de Auditoria e especialistas da KPMG em diferentes temas e setores do mercado. A partir dessa apuração, aliada às diversas pesquisas técnicas, foi possível elencar nove principais riscos para o próximo ano.   

Top Emerging Risks 2021

A análise salienta, ainda, os riscos relativos ao Open Banking - cuja agenda de implementação está prevista para ser finalizada em 2021 - e demais riscos empresariais que devem estar na agenda estratégica das organizações. Confira, a seguir, quais são esses riscos:

  •     Questões geopolíticas e os investimentos em 5G
  •     Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)
  •     Data-driven market
  •     Vieses e preconceitos no uso da Inteligência Artificial
  •     Pix: os primeiros passos rumo à implementação do Open Banking no Brasil
  •     ESG: uma abordagem holística
  •     Efeitos da Covid-19 nas demonstrações financeiras e em outras divulgações ao mercado
  •     Fraudes e non Compliance
  •     Reforma Tributária

Acesse abaixo o estudo na íntegra e confira os detalhes de cada risco mencionado, bem como os aspectos que envolvem o ESG. 

Meu perfil

Conteúdo exclusivo e personalizado para você

Sign up today

conecte-se conosco