close
Share with your friends

Prioridades para os Conselhos de Administração em 2021

Prioridades para os Conselhos de Administração em 2021

Diferentes riscos continuarão a desafiar os Conselhos ao longo deste ano, exigindo uma governança corporativa assertiva e ainda mais estratégica.

Conteúdo Relacionado

Conselho de Administração

Os Conselhos de Administração continuarão enfrentando desafios e riscos sem precedentes para seus negócios ao longo de 2021. Este cenário inclui, dentre outros fatores, a continuidade da pandemia da Covid-19, recessão econômica, eventos climáticos extremos, movimentos sociais e crescente polarização política.

Além disso, a pressão sobre o Conselho de Administração, a gestão, os funcionários e a governança em geral será bastante expressiva. Assim, uma administração estratégica e assertiva será essencial para que as empresas enfrentem a volatilidade do mercado local e global. 

Considerando esses aspectos, o ACI Institute Brasil em conjunto com o Board Leadership Center da KPMG elaboraram a publicação Conselho de Administração: prioridades para a agenda de 2021.

A partir de pesquisas de mercado, entrevistas e debates com membros de Conselhos de Administração e líderes executivos, além de uma ampla análise de fatores globais, foi possível identificar os nove assuntos prioritários para a agenda dos conselheiros. 

Confira alguns dos principais temas para os Conselhos de Administração em 2021:

  1. Manter o foco na resposta da administração à Covid-19, sem perder de vista o cenário geral dos negócios;
  2. Fazer da gestão do capital humano e da sucessão do CEO prioridades;
  3. Questionar se a empresa está fazendo o suficiente para promover mudanças reais e duradouras no combate ao preconceito sistêmico (bias) e ao racismo;
  4. Reavaliar o foco em ESG e seu propósito corporativo;
  5. Reavaliar se os planos de resposta e resiliência a crises estão alinhados à estrutura de gerenciamento de riscos (ERM) da organização;
  6. Abordar a segurança cibernética e a privacidade de dados de forma holística - governança da informação;
  7. Atuar na definição do tone-at-the-top e monitorar a cultura corporativa;
  8. Construir um Conselho que represente a estratégia  da  empresa  e  suas  futuras necessidades; e
  9. Ser proativo no engajamento com acionistas e ativistas.

As boas práticas de ESG continuam na pauta

O ativismo em relação a questões ambientais, sociais e de governança (ESG) permanecerá em alta. Acionistas continuarão a demandar a inclusão de propostas nas assembleias a respeito de tais práticas, principalmente no que concerne ao “E” e ao “S”, por conta dos reflexos da Covid-19.

Ademais, há uma demanda crescente por divulgações mais transparentes sobre como as empresas estão endereçando os riscos e oportunidades relacionadas ao ESG, especialmente mudanças climáticas e diversidade.

Nesse sentido, algumas perguntas devem ser feitas para avaliar se a atual estratégia da organização é coerente, como:

  • Quais questões de ESG são de importância estratégica, ou seja, fundamentais para o desempenho de longo prazo da empresa e para criação de valor?
  • Como a empresa está incorporando o ESG ao seu core business (estratégia, operações, gestão de risco, remuneração e cultura corporativa)?
  • Há um compromisso claro e uma liderança forte, além de uma adesão de todos os níveis da empresa?

Acesse abaixo a publicação Conselho de Administração: prioridades para a agenda de 2021 e confira mais informações acerca dos assuntos prioritários para os Conselhos nesse ano, além de outros insights, como aspectos relativos a ESG. 

© 2021 KPMG Auditores Independentes, uma sociedade simples brasileira e firma-membro da rede KPMG de firmas-membro independentes e afiliadas à KPMG International Cooperative (“KPMG International”), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados.

conecte-se conosco

 

Quer fazer negócios com a KPMG?

 

loading image Pedido de proposta

Meu perfil

Conteúdo exclusivo e personalizado para você

Sign up today