Troca de ativos no setor de Life Sciences - KPMG | BR
close
Share with your friends

Conheça as oportunidades geradas pela troca de ativos no setor de Life Sciences

Troca de ativos no setor de Life Sciences

Será que é o momento apropriado para reconsiderar as trocas de ativos como uma opção viável?

Contato:

Ricardo Pascoal - KPMG no Brasil

Sócio do setor Life Sciences e da área de Impostos

KPMG no Brasil

Contato

Conteúdo Relacionado

Illustration of hand inserting green jenga like blocks into a building

É com muita satisfação que a anunciamos o lançamento da publicação “The Life Sciences Asset Swap Opportunity”, produzida pelo Global Strategy Group da KPMG.

O relatório demonstra que as trocas de ativos podem ajudar de forma rápida e eficiente a desenvolver liderança em segmentos específicos, analisando os maiores desafios desse tipo de transação e examinando qual seria a melhor maneira de executar essas transações com êxito. 

As empresas do setor de Life Sciences enfrentam aumentos nos custos de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), pressão por baixa nos preços e regulamentações cada vez mais rígidas, bem como eventos geopolíticos, como a reforma tributária nos EUA. À medida que elas racionalizam suas carteiras e focam em um número menor de segmentos é possível observar um aumento nas atividades de M&A (Mergers and Acquisitions). Mas agora seria o momento apropriado para reconsiderar as trocas de ativos como uma opção viável?

Por que você deve considerar as trocas de ativos?

  • Foco direcionado: Elas podem impulsionar o crescimento em negócios centrais e liberar ativos sem utilidade para aumentar o retorno sobre o investimento. Elas também proporcionam uma alta precisão em termos de negociação, visto que incluem somente produtos e unidades de negócios que cada parte selecionar especificamente.
  • Agilidade na criação de carteiras: Por meio da aquisição e da venda feitas simultaneamente, as trocas de ativos permitem que ambas as partes criem um conjunto sólido de produtos e serviços de forma rápida e alinhada às suas estratégias de negócio e de carteiras.
  • Eficiência financeira: Em atividades de M&A convencionais, as empresas são pressionadas a investir os recursos provenientes da venda para gerar valor aos acionistas – o que pode resultar em decisões precipitadas. Em trocas de ativos, contudo, empresas novas são adquiridas instantaneamente e contribuem imediatamente para a receita e os lucros. E, com entidades cujos preços estipulados são semelhantes, existe uma necessidade menor de usar o caixa da empresa ou de buscar recursos financeiros externos de mercados de capital.
  • Risco mitigado: Com a troca de ativos, não existe a necessidade de adquirir recursos supérfluos oriundos da venda da empresa, minimizando passivos históricos, como o tratamento tributário. 

As trocas de ativos devem ser especialmente benéficas para as empresas que possuem uma estratégia clara de liderança de categoria. Faz-se importante encontrar um parceiro com os mesmos objetivos, bem como construir confiança e reciprocidade, deixando de lado as rivalidades da concorrência tradicional para garantir um fluxo de informações livre e uma avaliação de ativos acordada.

Ao focarem na obtenção do valor pós-transação, as partes podem coordenar a integração e a separação para transferirem os ativos novos uma para a outra.

conecte-se conosco

 

Quer fazer negócios com a KPMG?

 

Pedido de proposta